De órfão a mestre

Há 10 anos, ainda na infância o professor de filosofia Farnera Rudo conheceu a Casa do Menor e o Padre Renato no orfanato onde vivia em Moçambique, no sudeste do Continente Africano e se percebeu que havia algo de especial da vida daquele padre, era o amor, algo muito distante de sua realidade difícil.
Rudo foi crescendo e com ele a vontade de mudar sua realidade dura, não só a dele como a de tantos outros jovens que, como ele viviam as mesmas privações e o caminho que ele escolheu foi o do estudo, Rudo sonhava em cursar uma faculdade, seria essa a forma como esse menino órfão poderia mudar a sua história e de muitos outros meninos. Com a ajuda do orfanato conseguiu cursar o ensino médio e através de uma bolsa de estudos ingressou na Universidade Pedagógica de Moçambique. Qual não foi a sensação dele ao entrar numa faculdade e sentir que seu grande sonho estava começando a se concretizar: “Não é possível, não acredito! Acho que amanhã acordarei e tudo isso não passou de um sonho!” Rudo
Pois bem, o sonho do menino se concluiu e hoje ele define sua trajetória como um caminho de muita luta, muitas derrotas, desilusões, porém de nunca desistir de sonhar e acreditar que o amor e a paciência muda a trajetória daquele que se deixa modificar.
Rudo manteve contato com a Casa do Menor e o Pe Renato pelas Redes Sociais e através de email e assim consegue realizar mais um sonho, vir para o Brasil, conhecer e contribuir com a Casa do Menor. Hoje Rudo define sua trajetória em persistência nas situações difíceis, nunca perder o foco mesmo em meio às dificuldades que possam surgir.
O choque de cultural Moçambique/Brasil foi fascinante para o agora professor, há similaridade em alguns pontos, pois a internet e os programas de TV de Moçambique são brasileiros, mas uma coisa é conhecer o Brasil das novelas, outra é conhecer a realidade no RJ. A violência da juventude assusta um pouco o moçambicano, mas não o faz desistir, hoje Rudo integra a equipe do CIDAH e trabalha com as crianças das quais um dia ele também foi.